quinta-feira, 27 de julho de 2017

Prepare-se para a chuva de meteoros mais intensa da história humana !

chuva de meteoros mais intensa da história humana
Os astrônomos marcaram seus calendários para o que poderá ser uma das maiores chuvas de meteoros já registradas até o momento. Um espetáculo de meteoros acontecerá no dia 12 de agosto, que vai acender o céu à noite, e acredita-se que poderá ser visível até mesmo durante o dia.

Os cientistas acreditam que esta chuva de meteoros poderá ser uma oportunidade única na vida, já que uma chuva desta natureza não ocorrerá por mais 96 anos. O evento é chamado de chuva de meteoro Perseidas , e geralmente ocorre entre 17 de julho e 24 de agosto a cada ano. Geralmente, ela alcança seu auge entre 9 e 13 de agosto.

Especialistas disseram que o melhor momento para ver a chuva de meteoros Perseidas é quando o céu está bem escuro. Muitos astrônomos disseram que o melhor momento para olhar é antes do amanhecer, dependente, claro, da fase da Lua.
A chuva de meteoros Perseidas é tipicamente vista no Hemisfério Norte (mas as regiões Norte e Nordeste do Brasil também são adequadas para a observação do fenômeno). Qualquer um que queira assistir esse espetáculo maravilhoso deve olhar para a região nordeste do céu e zênite, o ponto no céu que está bem acima da cabeça.

É relativamente fácil localizar e ver uma estrela cadente ao olho nu, olhando diretamente para cima.

A chuva de meteoros Perseidas é composta por pequenos detritos espaciais que vêm do cometa Swift-Tuttle e o nome é baseado na constelação Perseus devido ao fato de que a direção que a chuva vem é tipicamente a mesma onde a constelação Perseus pode ser encontrado. Os astrônomos dizem que, em seu auge, tipicamente podem ser vistos cerca de 60 a 100 meteoros a cada hora, quando se está num lugar escuro. Os especialistas recomendam que as pessoas tentem sair da cidade e fiquem longe de qualquer luz artificial.

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/07/27/prepare-se-para-a-chuva-de-meteoros-mais-intensa-da-historia-humana/


Gerados embriões geneticamente manipulados pela primeira vez nos EUA !

Cientistas da Universidade da Saúde e Ciência do Oregon, em Portland, criaram, com recurso à manipulação genética, vários embriões humanos, naquela que foi uma experiência sem antecedentes nos Estado Unidos.

De acordo com a Instituição, cada embrião pode, teoricamente, desenvolver-se até se tornar numa pessoa, mas os cientistas estão proibidos de levar a experiência até esse ponto, razão pela qual destruíram todos os embriões humanos dias depois de terem sido gerados.

Ao alterar o código genético dos embriões, o objetivo dos cientistas é provar que podem erradicar ou corrigir genes que causam doenças hereditárias, conta a publicação científica "Technology Review".

Alguns países assinaram uma convenção que proíbe a prática, devido a preocupações éticas com a criação de seres humanos feitos à medida, os chamados "bebés desenhados", mas não é o caso dos Estados Unidos. Os cientistas norte-americanos estão autorizados a trabalhar neste tipo de experiência desde que não usem dinheiros públicos e, como já foi dito, não desenvolvam os embriões completamente.

Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a qualidade Jornal de Notícias.

Segundo o porta-voz da Universidade do Oregon, Eric Robinson, os resultados da pesquisa deverão ser publicados numa revista científica em breve.

A investigação, liderada pelo diretor do Centro de Células Embrionárias e Terapia Genética da instituição, Shoukhrat Mitalipov, envolve uma tecnologia capaz de modificar genes de forma rápida e eficiente que funciona como "um tipo de tesoura molecular que pode cortar seletivamente partes indesejadas do genoma e substituí-lo por novas partes de ADN".

Esta não foi a primeira vez que um grupo de cientistas conseguiu chegar à manipulação genética de um embrião - cientistas chineses publicaram estudos semelhantes no passado - mas resultou, como nunca, num maior número de embriões, além de que, segundo a Universidade, foi feita com um nível de segurança e eficácia sem antecedentes.

Em dezembro de 2015, num seminário internacional realizado na Academia Nacional de Ciências (NAS) em Washington, cientistas disseram que seria "irresponsável" usar a tecnologia de manipulação de genes em embriões humanos para fins terapêuticos, até os problemas de segurança estarem resolvidos.

Mas, no início deste ano, a NAS e a Academia Nacional de Medicina garantiram que os avanços científicos tornaram o estudo do tema "uma possibilidade realista que merece consideração séria".

Fonte: http://www.jn.pt/mundo/interior/gerados-embrioes-geneticamente-manipulados-pela-primeira-vez-nos-eua-8667662.html

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Descoberta pode comprovar a vida em Marte, e ajudar a encontrá-la no Universo !

vida em Marte
Uma descoberta inovadora poderá provar que Marte estava repleto de “alienígenas” e poderia ajudar a “traçar a vida em outros lugares do Universo”, afirmam cientistas.

Os caçadores de alienígenas esperam por esta notícia há séculos – e parece que os cientistas podem finalmente ter uma prova de que a vida extraterrestre uma vez existiu no planeta vermelho.

Especialistas britânicos dizem que a descoberta extraordinária dos fósseis mais antigos do mundo, que remonta pelo menos 3,7 bilhões de anos atrás, em um momento em que tanto Marte quanto a Terra tinham água líquida.

A surpreendente descoberta feita no Canadá ajudará a humanidade a “traçar a vida em outros lugares do Universo”, afirmam os cientistas.

O primeiro autor do estudo, Matthew Dodd, um estudante de doutorado no University College London, disse:

Essas descobertas demonstram a vida desenvolvida na Terra em um momento em que Marte e a Terra tinham água líquida em suas superfícies, apresentando perguntas interessantes quanto a vida extraterrestre.

Portanto, esperamos encontrar evidências para a vida passada em Marte há 4 bilhões de anos, ou se não encontrarmos, a Terra pode ter sido uma exceção especial.

A evidência é considerada pelo menos 310 milhões de anos mais velha do que qualquer outro fóssil descoberto antes.

Os cientistas acreditam que a vida emergiu de “aberturas de chaminés quentes no leito marinho”, logo após a formação do nosso planeta.

As bactérias que formaram minúsculos filamentos e tubos se alimentavam do ferro encontrado em camadas de quartzo no Cinturão Supracrustal de Nuvvuagittuq (sigla NSB, em inglês) em Quebec, no Canadá.

Os fósseis foram encontrados no sistema de chaminés hidrotermais nas profundezas do mar, ricas em ferro, que os especialistas acreditam que poderia ter sido o lar das primeiras formas de vida da Terra, entre 3,77 e 4,3 bilhões de anos atrás.

O autor principal do estudo, Dr. Dominic Papineau, da UCL Earth Sciences, acrescentou:

O fato de os termos descoberto de uma das mais antigas formações rochosas conhecidas, sugere que encontramos evidências diretas de uma das formas de vida mais antigas da Terra.

Esta descoberta nos ajuda a montar a história do nosso planeta e a vida notável sobre ele, e ajudará a identificar vestígios de vida em outros lugares do Universo.

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/07/26/comprovar-a-vida-em-marte/

Plutão emite mais raios-X que o esperado e ninguém sabe porquê !

Planeta anao Plutao, em imagem registrada pela sonda New Horizons e colorida artificialmente para ressaltar as diferentes topografias.
Planeta anão Plutão, em imagem registrada pela sonda New Horizons e colorida artificialmente para ressaltar as diferentes topografias.
Embora os pesquisadores já tenham detectado emissões de raios-x vindas de outros objetos solares, as emissões vindas de Plutão são muito maiores que a esperada e nenhum cientista sabe o que as está gerando e nem de onde elas provêm.

As primeiras emissões de raios-x vindas do planeta-anão Plutão foram detectadas há alguns anos pelo telescópio espacial de raios-x Chandra e sua magnitude já havia chamado a atenção dos pesquisadores. Agora, novas detecções feitas pela sonda New Horizons desconcertou ainda mais os pesquisadores.

Normalmente, as emissões de raios-x vindas de outros corpos do Sistema Solar são produzidas como resultado de interações da atmosfera com os ventos solares, mas a distância muito grande entre Plutão e o astro rei fazem os cientistas descartarem essa interação e consideram que essas emissões são inesperadas e não devem estar sendo produzidas da mesma maneira.

A fonte precisa das emissões de raios-X em Plutão provavelmente permanecerá um mistério por um bom tempo, até que os dados da missão New Horizons possam ser completamente explorados, o que pode levar décadas.

A nova pesquisa foi publicada no periódico Ícarus e foi liderada por astrônomos do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins (JHUAPL), do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, do Southwest Research Institute (SwI), do Centro Espacial Vikram Sarabhai (VSCC) e do Jet Propulsion Laboratory, da NASA e Ames Research Center.

Fonte: http://www.apolo11.com/spacenews.php?titulo=Plutao_emite_mais_raios-X_que_o_esperado_e_ninguem_sabe_por_que&posic=dat_20170726-090234.inc

terça-feira, 25 de julho de 2017

Cientista diz que as nossas vidas se repetirão infinitas vezes !

Sua vida irá se repetir
Os humanos estão enroscados numa dobra do tempo que pode estar se repetindo por toda a eternidade, de acordo com nova teoria.

Você já teve a sensação de que você já fez exatamente o mesmo antes? Uma nova teoria afirma que os seres humanos provavelmente repetiram o mesmo comportamento uma quantidade infinita de vezes, graças ao fato do tempo e do Universo estarem se repetindo por toda a eternidade.

O Universo expandiu-se a um ritmo acelerado desde o início dos tempos, e alguns especialistas acreditam que um dia alcançará um ponto de inflexão, onde ele não pode expandir mais e começará a contrair.

Vai demorar cerca de um trilhão de anos para o Universo se contrair ao ponto ‘infinitésimo’ de onde começou, e uma vez que isto aconteça, o Big Bang ou algo semelhante ocorrerá de novo, diz a teoria.

No entanto, como tudo vem do exato mesmo ponto, alguns sugerem que isso faz com que a mesma história se repita infinitas vezes por toda a eternidade.

Essencialmente, isso confirma que o tempo também é uma ilusão.

O Dr. Paul Frampton, professor de física da Universidade da Carolina do Norte (EUA), disse:

Este ciclo ocorre um número infinito de vezes, eliminando assim qualquer começo ou fim de tempo.

Parampreet Singh do Perimeter Institute for Theoretical Physics em Ontário, disse à Phys.org:

O significância desse conceito é que ele responde ao que aconteceu com o universo antes do Big Bang.

Ele acrescentou que, se pudéssemos olhar de volta antes do Big Bang, as coisas seriam exatamente as mesmas, mas talvez poderiam estar no sentido inverso.

O Sr. Singh continuou:

No Universo antes do salto, todas as características gerais serão as mesmas. Ele seguirá as mesmas equações dinâmicas, as equações de Einstein quando o Universo for grande.

Nosso modelo prevê que isso aconteça quando o Universo se torne na ordem de 100 vezes maior do que o tamanho Planck. Além disso, o conteúdo da matéria será o mesmo e terá a mesma evolução.

Uma vez que o Universo pré-salto esteja se contraindo, parecerá como se estivéssemos olhando para trás no tempo”.

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/07/24/sua-vida-ira-se-repetir-infinitas-vezes/


Cientista afirma que nova técnica poderá encontrar vida extraterrestre em lua de Saturno !

vida extraterrestre em lua de Saturno
Gêiseres ejetando água de Encélado, lua de Saturno


Mais tarde, este mês, a revista Astrobiology estará publicando uma edição dedicada à busca de extraterrestres em Encélado, a sexta maior lua de Saturno.

Na edição será incluído um documento de cientistas que falando sobre uma técnica conhecida como microscopia holográfica, que usa lasers para gravar imagens em 3D projetadas para detectar micróbios extraterrestres.

Os especialistas dizem que eles têm evidências de que isto nos levará mais próximos do que nunca de detectarmos a vida alienígena.

Jay Nadeau, um professor de pesquisa, disse:

A microscopia holográfica digital permite que você veja e acompanhe até os mínimos movimentos.

Essa lua de Saturno tem sido objeto de enorme curiosidade devido ao seu oceano subterrâneo sob sua crosta gelada – anteriormente descrito pela NASA como um “uma pista promissora em nossa busca por mundos onde a vida poderia existir”.

O ex-investigador da NASA, Geoffrey Marcy, um professor aposentado em astronomia, anteriormente pediu que uma nave espacial fosse enviada para lá.

Ele disse:

As missões da NASA, conforme planejadas atualmente, levarão pelo menos 20 anos antes da detecção da vida microbiana.

No entanto, uma brilhante equipe de bilionários poderia trabalhar com a NASA para financiar uma espaçonave para a lua de Saturno, Encélado.

Ela poderia capturar a água que é ejetada dos gêiseres e usar microscópios convencionais para detectar qualquer vida microbiana lá existente.

O aspecto notável da busca por micróbios na água que jorra dos gêiseres é que a nave espacial só precisa voar através da coluna ejetada, bem acima da superfície de Encélado.

Não é necessário nenhum pouso – apenas uma sucessão de voos através das colunas de água ejetadas, à media que orbita Encélado.

A missão também deve incluir um microscópio e uma câmera para filmar diretamente qualquer organismo na água que seja tão pequeno quanto alguns microns.

Encelado foi descoberto em 1789 e é descrito pela NASA como “um dos destinos mais cientificamente interessantes do sistema solar”.

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/07/24/vida-extraterrestre-em-lua-de-saturno/


segunda-feira, 24 de julho de 2017

Mancha solar explode, mas Terra escapa das partículas carregadas !

Explosao Solar
Registro da explosão solar ocorrida farside (lado oposto do Sol) em 23 de julho de 2017. A magnitude do flare pode ter chegado a X3. Clique para ver a animação.

Uma explosão solar de extrema intensidade ocorreu nas primeiras horas de domingo, 23, e foi registrada pelos satélites que monitoram a atividade da nossa estrela. Se ocorresse alguns dias antes, as partículas acertariam diretamente a Terra, com consequências imprevisíveis.
A poderosa ejeção de massa coronal (EMC) ocorreu exatamente na região ativa AR2665, que há duas semanas estava faceada em direção ao nosso planeta. Ainda não é possível estimar com absoluta certeza a magnitude energética do evento, mas cientistas especializados no estudo do Sol acreditam que o flare de raios-x gerado no momento da explosão pode ter atingido a classe X3, quase o topo da escala de medições.
Um flare dessa magnitude equivale a um pico de energia de cerca de 35 GigaWatts no comprimento de ondas de raios-X, injetados diretamente no topo da atmosfera da Terra. Embora esse tipo de emissão seja bloqueada pela atmosfera e não chegue à superfície, seus efeitos ionizadores são bastante cruéis e podem levar a blecautes severos em sistemas eletroeletrônicos e satelitais.
No caso da explosão desse domingo, as partículas foram lançadas do lado oposto do Sol, em direção a Marte e possivelmente serão detectadas nos próximos dias pelos jipes-robôs Curiosity e Opportunity, que estudam o planeta Vermelho. Escapamos por pouco.

Halloween Storm

Entre o final de outubro e início de novembro de 2003, nosso Sol passou por um dos momentos de maior atividade já registrada, produzindo uma sequencia emblemática de explosões extremamente fortes que atingiram nosso planeta. Como o evento ocorreu próximo ao dia das Bruxas nos EUA, foi batizado por pequis adores estadunidenses de Halloween Storm.
Assista ao Vídeo do Halloween Storm

Durante os dias do evento o Sol produziu diversas explosões maiores que Classe X17, que lançaram em direção à Terra bilhões de toneladas de partículas carregadas. No primeiro impacto das partículas, o índice KP que mede a instabilidade ionosférica atingiu o nível 9 e a tempestade geomagnética que seguiu durou cerca de 60 horas, produzindo auroras boreais visíveis até em Miami.
Em 4 de novembro de 2003 ocorreu a maior tempestade solar já registrada por instrumentos. De acordo com os pesquisadores, essa rajada atingiu a classe X28. Alguns estudos mostram que esse valor pode ter sido ainda maior e o nível de raios-x pode ter atingido a impressionante classe X40.
Para que o leitor tenha uma ideia da violência do evento, a explosão danificou 28 satélites, uma sonda na órbita de Marte e provocou um apagão na Suécia. Além disso, foi registrada por diversas naves interplanetárias, entre elas a Voyager, na época na orbita de Plutão. O satélite SOHO, que registrava o evento, ficou momentaneamente cego pela descomunal quantidade de energia que atingiu seus sensores.

Por sorte, a área mais densa das partículas ejetadas não atingiu a Terra diretamente, passando de raspão pelo nosso planeta.

Considerando que atualmente nosso Sol quase nem manchas apresenta, será que ainda teremos tempo de testemunhar um evento parecido com o Halloween Storm?

Fonte: http://www.apolo11.com/spacenews.php?titulo=Mancha_solar_explode_mas_Terra_escapa_das_particulas_carregadas&posic=dat_20170724-090852.inc

terça-feira, 4 de julho de 2017

Recuperação da camada de Ozôno deve demorar mais que o previsto !

Evolucao do buraco na camada de ozonio
Evolução do buraco na camada de ozônio ao longo tempo. O primeiro globo, no topo à esquerda, mostra a situação da capa em setembro de 1981. A camada aparece delgada, apresentando os primeiros sinais do buraco. Nos globos seguintes vemos as capas muito maiores, próximos a 100 unidades Dobson

Um estudo novo publicado na revista Nature afirma que uma substância química não proibida está atrasando a recuperação da camada de ozônio. Para os pesquisadores, se nada for feito a recuperação total só vai acontecer no final do século.
A diminuição da camada de ozônio é causada pela presença de elementos que destroem o ozônio, como a clorina e o brometo de metilo, e principalmente pelos gases originados de produtos criados pelo homem, como os clorofluorcarbonos ou CFCs. Conhecido como gás freon, o CFC é usado em grande escala na produção de aerossóis, refrigeradores e produtos de limpeza. Apesar de ainda estar presente na atmosfera, sua concentração vem diminuindo graças ao Protocolo de Montreal, assinado em setembro de 1987. Nele, os países signatários se comprometeram a substituir as substâncias que reconhecidamente causam danos à camada.
Desde então, o chamado "buraco" na camada de ozônio foi retornando aos níveis estimados próximos ao período de antes da revolução industrial. De acordo com os cientistas, o período de recuperação total ocorreria em 2065.

Camada de Ozônio - Novo Vilão

Agora, um novo estudo publicado pelo periódico científico Nature mostra que isso só deve acontecer trinta mais tarde, em 2095. O motivo é o crescente nível de emissões de uma substância química chamada diclorometano, largamente empregada como solvente de pintura e no preparo de outros compostos químicos usados nas geladeiras e aparelhos de ar-condicionado.
Embora o Protocolo de Montreal tenha sugerido o banimento dos CFCs, o diclorometano, conhecido também como cloreto de metileno, não foi incluído, pois se decompõe mais rapidamente, após cerca de cinco meses na atmosfera. O problema é que o diclorometano libera cloro, que segundo o artigo da Nature, pode danificar a camada de ozônio caso chegue até ela.
Segundo o estudo, os níveis de concentração de cloreto de metileno aumentaram 8% por ano entre 2004 e 2014 e se esta tendência permanecer, a recuperação da camada de ozônio deverá levar muito mais tempo para ser finalizada, podendo entrar no século 22 sem ter sido completada.
O estudo afirma o crescimento das emissões de cloreto de metileno está vinculado à sua importância cada vez maior na fabricação de hidrofluorocarbonetos, compostos químicos utilizados justamente para substituir os gases que estavam comprometendo a camada de ozônio.
Segundo Ryan Hossaini, principal autor do estudo, ligado à Universidade de Lancaster, no Reino Unido, não está claro quais regiões do mundo contribuem mais para o problema, mas uma das zonas que causa preocupação é a Ásia, onde o diclorometano é usado em larga escala nos sistemas de refrigeração.

Uma amostra de ar retirada da estratosfera inferior revelou níveis preocupantes de cloreto de metileno sobre a Índia e Sudeste Asiático.

Buraco na Camada - O que é?

O buraco na camada de ozônio é um fenômeno cíclico que ocorre na região da Antártida somente entre agosto e início de novembro durante a primavera no hemisfério sul e apesar do nome, não se trata propriamente de um "buraco" e sim a de um afinamento da espessura (rarefação) da ozonosfera, localizada entre 16 e 30 quilômetros de altitude. Essa camada apresenta cerca de 20 km de espessura e contém aproximadamente 90% de todo do ozônio que existe na atmosfera.
Em meados de novembro e dezembro, em função do aumento gradual da temperatura, o ar circundante à região onde se encontra o buraco inicia um movimento em direção ao centro. Esse ar trás consigo o ozônio para a alta atmosfera na região do buraco, que tem seus níveis de gás normalizados até a chegada da próxima primavera.

Diminuição da Camada de Ozônio - Consequências

O buraco na camada de ozônio foi reconhecido pela primeira vez em 1985 e durante a última década, em escala global a camada perdeu 0.3% de sua espessura a cada ano, aumentando significativamente os riscos de câncer de pele, cataratas e causando danos à vida marinha.

Unidades Dobson

A camada de ozônio é medida através de Unidades Dobson (DU) e é calculada medindo-se a área e a profundidade da camada em determinada região. Um buraco é definido quando os níveis na região avaliada situam-se abaixo de 220 unidades Dobson. A unidade descreve a espessura da camada de ozônio contida em uma coluna diretamente acima de um ponto qualquer, a 0ºC e sob a pressão de uma atmosfera. Um valor de 300 Unidades Dobson equivale a uma camada de ozônio de 3 milímetros de espessura.

Fonte: http://www.apolo11.com/meio_ambiente.php?titulo=Recuperacao_da_camada_de_Ozonio_deve_demorar_mais_que_o_previsto&posic=dat_20170703-105705.inc

segunda-feira, 3 de julho de 2017

NASA irá lançar sistema de defesa planetário !

Pela primeira vez a NASA vai lançar uma missão que usa uma técnica de deflexão contra asteroides para defender o planeta.

A missão é conhecida como DART, Double Asteroid Redirection Test (Teste de Redireção de Asteroide Duplo) e poderá mostrar como qualquer impacto mortal devido a um asteroide pode ser evitado se alguém se dirigisse para a Terra. Poderia atacar o asteróide com força suficiente para forçá-lo a mover a trajetória para longe da Terra, este é um método que é chamado de técnica de impactador cinético.
Neste momento, a missão está na fase de projeto preliminar, mas o objetivo é atacar Didymos B, que é o menor dos dois asteroides binários que se aproximarão da Terra em 2022 e retornarão em 2024 . O cientista do programa, Tom Statler, disse que um asteroide binário seria o laboratório natural perfeito para uma prova.
O DART tem o tamanho de uma geladeira normal e possui um sistema de segmentação autônomo a bordo que apontará para Didymos B e, em seguida, o atingirá a nove vezes mais rápido do que uma bala de uma arma. Andy Cheng, do Laboratório de Física Aplicada Johns Hopkins em Laurel, Maryland, nos EUA, disse que a missão é um passo muito crítico para mostrar como a Terra pode ser protegida de um possível impacto por um asteroide.
Ele continuou dizendo que, como ninguém sabe muito sobre a composição ou estrutura interna dos asteroides, é necessário que a missão seja executada sobre um asteroide real. Ele disse que graças ao DART, a NASA será capaz de mostrar como a Terra pode ser protegida com um impactador cinético, no caso de um ataque de asteroides, podendo desviar qualquer objeto que seja perigoso o suficiente, enviando-o para uma trajetória de voo diferente, que não seria uma ameaça para a Terra.
No site da NASA, foi dito que a missão do DART agora está se saindo do desenvolvimento do conceito e entrando na fase de projeto preliminar, depois de obter aprovação da NASA em 23 de junho. A NASA disse que o alvo para o DART é o asteroide Didymos B, que tem cerca de 160 metros de tamanho. O sistema tem estado sob o minucioso escrutínio da NASA desde 2003.

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/07/03/sistema-de-defesa-planetario/

domingo, 2 de julho de 2017

Para evitar catástrofe maior, NASA simula impacto de asteroide na Terra !

NASA simula impacto de asteroide
Quando um asteroide atingiu a cidade russa de Chelyabinsk em 2013, a explosão da onda de choque quebrou as janelas e danificou edifícios tão distantes quanto 93 quilômetros do local da explosão, ferindo mais de 1.200 pessoas.
Em apoio ao Escritório de Coordenação da Defesa Planetária da NASA, os pesquisadores estão criando modelos 3D e usando um dos supercomputadores mais poderosos da NASA para produzir simulações de hipotéticos cenários de impacto de asteroides. Seus resultados ajudam as primeiras equipes de socorro e outras agências a identificarem e tomarem decisões mais bem informadas sobre a melhor maneira de se defender contra eventos de asteroides que ameaçam a vida.
As simulações de alta fidelidade de potenciais asteroides, cobrindo uma ampla gama de tamanhos, foram executadas no supercomputador Pleiades, utilizando o software de modelagem Cart3D da NASA e o ALED3D do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, operados por especialistas do Projeto de Avaliação de Ameaças de Asteroides nas instalações de Supercomputação Avançada da NASA, no Centro de Pesquisa da Ames, Vale do Silício da Califórnia.
A equipe da NASA foi capaz de executar simulações em grande escala do evento de Chelyabinsk no supercomputador Pleiades para produzir rapidamente muitos cenários de impacto, porque Cart3D é dezenas de vezes mais rápido do que a modelagem numérica 3-D típica usada para análise aerodinâmica. As simulações detalhadas permitiram que a equipe modelasse o fluxo de fluido que ocorre quando os asteroides se fundem e vaporizam à medida que rompem a atmosfera.
A pesquisa de asteroides da NASA é compartilhada com cientistas de universidades, laboratórios nacionais e agências governamentais que desenvolvem planos de avaliação e reação para analisarem danos à infra-estrutura, tempos de aviso, evacuações e outras opções para proteção de vidas e propriedades.
Para obter mais informações sobre o trabalho do Projeto de Avaliação de Ameaças de Asteroides da NASA, visite:


Fonte: http://ovnihoje.com/2017/07/02/nasa-simula-impacto-de-asteroide/

sábado, 1 de julho de 2017

Satélite russo será mais brilhante que estrelas e planetas !

Satélite russo será mais brilhante
Os astrônomos já estão muito chateados com toda a luz terrestre que os seres humanos estão gerando, que ilumina o céu noturno e os força a colocar telescópios no topo das montanhas ou no espaço para escapar do resplendor estelar. Agora eles estão prestes a ficar ainda mais furiosos. A Rússia está preparada para lançar um satélite cheio de recursos que prevê ser mais brilhante do que todas as estrelas e planetas no céu, ficando atrás apenas do Sol, da Lua e possivelmente de Vênus em intensidade. Como os astrônomos mostram sua raiva? Eles transformarão seus telescópios em direção às janelas do quarto dos responsáveis ​​e começarão a publicar pornografia de vingança?
Mayak, que significa “farol”, foi anunciado no início de 2016 com uma campanha de crowdfunding que eventualmente superou seus 1,5 milhões de rublos ($ 35.350,00 US) para construir um pequeno Cubesat do tamanho de um pão, que seria lançado em órbita onde ele fará o melhor da imitação dos Transformers, e se desdobrará para um enorme refletor solar em forma de pirâmide de 16 metros quadrados, feito de película de polímero fino. Qual função nobre ou científica servirá essa pirâmide no céu?

Uma estrela que lembrará ao mundo quem foi o primeiro no espaço e mostrará que não só estados e corporações podem contribuir para a exploração espacial.
De acordo com a página crowdfunding, o propósito de Mayak é se gabar de direitos. Os russos foram os primeiros a lançar um satélite, os primeiros a colocar um cachorro, um homem e uma mulher no espaço e agora serão os primeiros a nos cegar por se gabarem. Para suavizar o golpe, o site tenta dar a Mayak uma causa nobre adicional de testar “o sistema de frenagem aerodinâmica, que ajudará a encontrar uma solução para o problema dos lixos espaciais!” Eles precisam criar lixo espacial para evitar isso . Que coisa mais Orwelliana!
Fica pior. Comece a cantar “Brilha, brilha, satelitezinho” porque Mayak não estará parado em sua órbita a 600 km acima da Terra. De acordo com suas especificações, “Mayak será colocado em movimento revolvendo-se sobre todos os eixos, com pelo menos 1 revolução por segundo”. A maioria das estimativas está colocando seu brilho cintilante entre uma magnitude de brilho de -3,6 (atrás do Sol, a Lua e Vênus) e uma magnitude de -10, que é mais brilhante do que Vênus.
Mayak pode ser parado? Provavelmente não. Está programado para ser lançado lançado em um foguete Soyuz 2.1v do Cosmódromo de Baikonur no Cazaquistão em 14 de julho. Uma vez que este impulso de ego russo seja impulsionado para o espaço, tudo acabou, diz Nick Howes, um astrônomo e ex-diretor-adjunto do Observatório Kielder em Northumberland.

Lutamos tanto por céus escuros em nosso planeta. Para ver isso potencialmente arruinado por alguma ridícula campanha crowdfunding absurda, o meu coração simplesmente se desespera…

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/07/01/satelite-russo-sera-mais-brilhante/


Médicos abrem farmácia com medicamentos naturais !

A comida que você come pode ser a forma de remédio mais segura e poderosa ou a forma mais lenta de veneno – Ann Wigmore

Em um centro médico de renome nos EUA, um experimento único está ocorrendo, fazendo coisas comuns da maneira mais incomum.

Lá, os pacientes estão sendo tratados com frutas e vegetais selecionados de sua Farmácia (Fazenda), em vez de medicamentos.

De acordo com o diretor do centro médico, os pacientes responderam positivamente a esse método inovador.
medicamentos naturais
O diretor acrescentou que, com base nessa história de sucesso, é hora de criar conscientização sobre a eficácia das frutas e legumes frescos sobre a abordagem convencional do tratamento com pílulas que podem infligir uma série de efeitos colaterais sobre os pacientes.
Na farmácia do centro médico, uma variedade de frutas e vegetais são cultivados cientificamente, como bananas, laranjas, maçãs, cenouras e itens de salada verde, com um custo bem econômico, dando grandes descontos para incentivar o hábito de comer frutas e legumes frescos diretamente, ao invés de pílulas que não só prejudicam o corpo, mas também cavam um grande buraco no bolso do paciente.

Esta farmácia, embora única em muitos aspectos, não é a única nos Estados Unidos.

Os alimentos orgânicos saudáveis ​​baseados em plantas são as ferramentas mais poderosas contra doenças, e podem ser muito mais poderosos do que qualquer droga ou cirurgia.

“Eles se mostraram mais eficazes na prevenção de ataques cardíacos crônicos, acidentes vasculares cerebrais, doenças cardiovasculares e câncer”, afirma o porta-voz do centro médico.

“O uso de medicamentos modernos e seus compostos fabricados pelas empresas farmacêuticas, causaram muitos problemas à sociedade, tanto no nosso país como em outros lugares”, ele acrescentou.
Ele ainda diz que o cultivo de alimentos orgânicos com base em plantas ainda tem um longo caminho pela frente para conseguir reformar o sistema de cuidado com a saúde, monopolizado pelas grandes empresas farmacêuticas.

“Que a comida seja o medicamento e os medicamentos seu alimento”, disse Hipócrates há muitos séculos, mas sua mensagem foi esquecida ao longo do tempo devido as considerações comerciais.

A Índia também tem sua própria versão de Farmácias com Yogic e Ashrams espalhados por todo o país, ativamente envolvidos em prestar conselhos sobre problemas de saúde e agricultura de alimentos de qualidade na forma de frutas e vegetais.

Sua gama de produtos inclui melões, trigo, abacates, maçãs, bananas, laranjas, cenouras, rabanetes, itens de salada verde, alho, brócolis, papaias, pepinos.

Enquanto alguns dos produtos são excelentes limpadores do cólon, outros protegem o sistema cardiovascular e possuem excelentes atributos antioxidantes.

Eles não só nos ajudam a sermos menos suscetíveis as doenças, mas também aumentam a nossa longevidade de maneira muito melhor do que os medicamentos modernos.

Estes Ashrams estão bem equipados para aconselhar sobre várias opções de cuidados de saúde, baseados em vários sistemas modernos e antigos de cuidados médicos, inclusive Ayurveda, Yoga e naturopatia, Unani, Siddha e Homeopatia, etc., adequados ao paciente.

No entanto, a preferência é dada aos sistemas antigos e testados pelo tempo, com efeitos colaterais zero.

Hoje, embora a expectativa de vida tenha aumentado, a qualidade de vida não manteve seu ritmo com os desenvolvimentos e melhorias gerais devido a muitos fatores, inclusive os efeitos colaterais de fortes doses de medicamentos para manter a vida.

Durante o processo, os velhos e fracos são vítimas da agonia prolongada e dor de seus “Anos Prolongados da Morte”.

Talvez a ideia da alimentação natural logo consiga dominar todo o mundo, para que possamos viver mais saudáveis, até o final de nossas vidas.

Fonte: http://otimundo.com/farmacia-com-medicamentos-naturais/




LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...