domingo, 18 de junho de 2017

Maior quantidade de Buracos Negros no Universo aumenta as hipóteses de existência de Vida Inteligente !

vida inteligente
Escrevendo para a revista Complexity, o Dr. Michael Price, um evolucionista da Universidade Brune, Londres, assume uma visão adaptativa sobre a teoria da seleção natural cosmológica introduzida pelo físico teórico Dr. Lee Smolin no início da década de 1990.
Smolin sugere que os buracos negros sejam uma adaptação projetada pela seleção natural cosmológica e que a vida é um subproduto da seleção para buracos negros. Universos se auto-replicam através de buracos negros, e a seleção favorece universos que contêm mais buracos negros.
O Dr. Price teoriza que, com base no nosso conhecimento sobre como a seleção natural opera no nível biológico, a vida inteligente é realmente mais provável do que os buracos negros de serem um mecanismo pelo qual os universos se replicam – um conceito conhecido como seleção natural cosmológica (CNS, sigla em inglês) com inteligência .
Price assinala que a seleção natural que opera no nível biológico é o processo mais conhecido no universo para criar uma ordem complexa e para diminuir o processo de aumento da entropia (degeneração e decaimento) e também pode operar no nível cosmológico.
Essencialmente, a vida é muito mais complexamente ordenada e menos propensa a surgir por acaso do que um buraco negro e, portanto, mais propensa a ser uma adaptação para a replicação do universo, ele explica. Esta visão contrasta com a sugestão de Smolin de que os buracos negros são a adaptação e a vida é o subproduto.
“Os organismos vivos são os menos entrópicos, ou seja, as entidades mais complicadas e improváveis ​​que se conhece”, explica o Dr Price, chefe do Centro Brunel para Cultura e Evolução. 

Ele continua:

A seleção natural biológica (BNS, sigla em inglês), então, é o processo anti-entrópico mais forte conhecido, porque cria organismos. A seleção natural biológica dá aos organismos traços chamados de adaptações que, em última instância, permitem a replicação genética. Reconhecemos uma característica como uma adaptação baseada em sua improvável complexidade, e essa complexidade é a marca registrada da seleção natural.
Se aceitarmos, o que o professor Smolin argumenta, que vivemos em um multiverso onde os projetos do universo se reproduzem de forma competitiva de acordo com um processo de seleção, então a seleção natural biológica pode ser um guia confiável do que devemos esperar da seleção natural cosmológica.
Por implicação, sugiro que a vida inteligente e os buracos negros sejam candidatos plausíveis para serem adaptados à CNS, mas a probabilidade de ser tal adaptação é maior para a vida do que para buracos negros, ou mesmo para qualquer outro objeto conhecido no universo, porque a vida é a coisa mais complexa e improvável que conhecemos.
Também sugiro que de forma mais geral, a CNS pode ser a principal causa primária da ordem cosmológica, assim como a BNS é a principal causa primária da ordem biológica. Em outras palavras, a BNS e o CNS podem ser, em última análise, responsáveis ​​por grande parte da ordem que observamos no Universo. Sem essa ordem, não haveria entropia, porque nada se desintegraria em um estado menos ordenado e, portanto, sem a seta do tempo.

Em suma, o processo de seleção pode ser muito mais fundamental para explicar a natureza do nosso Universo do que é geralmente suposto.

Fornecido por: BrunelUniversity

Periódico de referência: Complexity – ‘Entropy and selection: Life as an adaptation for universe replication’ by Michael E. Price

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/06/18/buracos-negros-universo-vida-inteligente/


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...